sexta-feira, 1 de agosto de 2008

- FÉDON -


Gosto deste trecho:




O MITO DO DESTINO DAS ALMAS

LVII – Porém devemos senhores, considerar também o seguinte: se a alma for imortal, exigirá cuidados de nossa parte não apenas nesta porção do tempo que denominamos vida, senão o tempo todo em universal, parecendo que se expõe a um grande perigo quem não atender esse aspecto da questão. Pois se a morte fosse o fim de tudo, que imensa vantagem não seria para os desonestos, com a morte livrarem-se do corpo e da ruindade muito própria juntamente com a alma? Agora, porém, que se nos revelou imortal, não resta à alma outra possibilidade, se não for tornar-se, quanto possível, melhor e mais sensata. Ao chegar ao Hades, nada mais leva consigo a não ser a instrução e a educação, justamente, ao que se diz, o que mais favorece ou prejudica o morto desde o início de sua viagem para lá. O que contam é o seguinte: ou morrer alguém, o demônio que em vida lhe tocou por sorte se encarrega de levá-lo a um lugar em que se reúnem os mortos para serem julgados e de onde são conduzidos para o Hades com guias incumbidos de indicar-lhes o caminho. Depois de terem o destino merecido e de lá permanecerem o tempo indispensável, outro guia os traz de volta, após numerosos e longos períodos de tempo. Esse caminho não é o que diz Télefo, de Ésquilo, ao afirmar que o caminho do Hades é simples; a meu ver nem é simples nem único. Se fosse o caso, seria dispensável guia, pois ninguém se perde onde a estrada é uma só. O que parece é que ele é cheio de voltas e bifurcações. Digo isso com base nos ritos sagrados e cerimônias aqui em uso. De qualquer forma, a alma prudente e moderada acompanha seu guia, perfeitamente consciente do que se passa com ela; mas,
como disse há pouco, a que se agarra avidamente ao corpo esvoaça durante muito tempo
em torno dele e do mundo visível, e depois de grande relutância e de sofrimentos sem conta, é por fim arrastada dali, à força e com dificuldade pelo demônio incumbido de conduzi-la. Uma vez alcançado o lugar em que se encontram, outras almas, a que se acha impura pela prática do mal, de homicídios injustos ou de crimes semelhantes, irmãos daqueles e iguais aos que soem praticar almas irmãs, de umas alma como essa todas se afastam, evitam-na, não havendo guia nem companheiro de jornada que com ela se associe. Tomada de grande perplexidade, vagueia por todos os lugares até escoar-se certo tempo, depois do que a arrasta a Necessidade para a moradia que lhe foi determinada. A que atravessou a vida com pureza e moderação e alcançou deuses por guias e companheiros de jornada, obtém moradia apropriada.

2 comentários:

osmario m disse...

Humm.. interessante ese texto. Na verdade não acredito em nada disso, em deus, em vida após a morte, purgartório, julgamento pela honestidade ou falta dela aqui na vida... Vc acredita nisso?! Ou gostou do texto pela dramaticidade dele...? Mas gostei dos demônios q vc mencionou! Vc já assistiu a A Hora do Lobo, de Ingmar Bergman??? Nele um cara é acompanhado por um garotinho q é seu demônio. Todos temos os nossos... Abraço :-)

Anônimo disse...

Osmario, você não precisar acreditar para ler Platão. O texto é tirado de um diálogo maior sobre o destino da alma após a morte e é interessante ver como funciona o uso da lógica de Platão no trato destas questões tão "invisíveis". Mais adiante ele também prevê o destino do homem após sua morte e na constituição do "purgatório, céu e inferno", aliás, muito parecido com A Divina Comédia. Leitura dificil, mas muito rica.

George Kieling
http://entrelinhasdosaber.blogspot.com